06, August de 2022

Aprender, se especializar, realizar e compartilhar sonhos não tem idade. Prova disso é que mãe e filha acabam de celebrar juntas sua colação de grau no curso de direito da Universidade Evangélica de Goiás – UniEVANGÉLICA. Talita Oliveira Teixeira, de 21 anos, se formou ao lado de sua mãe, Cristina Gomes de Oliveira Teixeira, de 51 anos.

Trinta anos as separam, mas nada que uma escolha em comum não as aproximasse. “Desde mais nova, almejei uma profissão que eu pudesse realmente ajudar e fazer a diferença na vida das pessoas. De princípio cogitei a possibilidade de escolher Medicina, mas meu coração e minhas aptidões me levaram ao Direito, a me especializar em uma profissão que a justiça seria meu instrumento de trabalho”, disse Talita, que, quando passou no vestibular, tinha apenas 16 anos e enfrentava um problema de saúde.

Foi exatamente por conta disso, que sua mãe decidiu a seguir nesta caminhada. “Quis acompanhar e estar ao lado de minha filha por mais tempo. Eu e meu esposo tomamos essa decisão juntos. De início ela ficou relutante, mas foi por conta desta escolha que nos aproximamos ainda mais e com o tempo viramos grandes companheiras de jornada”, avalia Cristina.

Parceiras na vida e na profissão, ambas citam a experiência gratificante em dividir trabalhos e atividades juntas. “Na época hesitei em passar por esta fase na Universidade sendo supervisionada, mas não demorou muito para uma de minhas coisas favoritas na faculdade ser a presença de minha mãe”, avalia Talita.

Segundo ela, Cristina sempre foi sua inspiração, tanto como mulher, amiga, mãe e, principalmente, como profissional. “Tudo que ela se compromete a fazer, desempenha com muita destreza, dedicação e profissionalismo, não foi diferente na faculdade, tanto que esse foi o 4° curso superior que ela finalizou. Ela se dedicou e me incentivou a buscar sempre dar meu melhor no curso. Ela foi minha força e meu apoio durante toda essa jornada e eu só cheguei até aqui porque pude contar com o indescritível suporte que ela me ofereceu”, afirma. Cristina faz eco: “foi uma experiência maravilhosa, fazíamos trabalhos e atividades juntas e nos ajudávamos muito”. 

Talita, que em breve pega sua carteira da OAB e atualmente se prepara para prestar concurso, diz que além de ter se formado na profissão que escolheu, teve a oportunidade de cursar Direito na UniEVANGÉLICA, um ambiente no qual já tinha certa familiaridade, já que seus pais trabalharam anos na instituição.

“Fiquei muito satisfeita quando pude ingressar como aluna, com o suporte da Universidade, com a qualificação e preparo do corpo docente e a metodologia de ensino”, sustenta. Cristina, que também pretende estudar para prestar concurso, por sua vez, explica que sua história com a UniEVANGÉLICA começou em 1991, quando iniciou sua primeira graduação, em Letras, em 2001. “Ingressei no corpo docente do curso de Educação Física, fui diretora e, também, professora de outros cursos da instituição (Fisioterapia, Gastronomia, Estética, Enfermagem). Retornei em 2017 como aluna e não poderia estar mais feliz com a oportunidade de voltar a estudar em uma das melhores Universidades do país” conclui.